Doutor Pablo Roig: “O uso de drogas por Hitler e pelos nazistas mostra a inconsistência dos defensores da liberação irrestrita destas substâncias de extrema periculosidade”

Espalhe essa notícia:

“ Recentemente fui presenteado com o livro ‘High Hitler’ do autor Norman Ohler , estudo extremamente bem documentado do uso de drogas altamente estimulantes, dadas aos alemães após a primeira guerra mundial e que foram usadas política e belicamente para criar uma realidade fictícia de negação da crise econômica e financeira e a humilhação nacional do Pacto de Versalhes, criando o conceito de uma raça superior”, conta o psiquiatra Pablo Roig, professor de dependência de drogas na Argentina e na Espanha e também diretor da Clínica Greenwood, em São Paulo.

Lendo este livro, cujo título se refere a high, que em inglês significa alto, e, portanto, efeito das drogas, me fez repensar no uso político das drogas psico-neuro-socio-tóxicas e a inconsistência dos defensores da liberação irrestrita destas substâncias de extrema periculosidade, como uma medida irresponsável. Grandes laboratórios passaram a produzir cocaína, metanfetaminas, codeína e estratos de glândulas animais, alimentando as necessidades perversas de ter uma nação de super homens.Todo este projeto, é claro, não pôde se sustentar, devido aos efeitos secundários dos psico-estimulantes, que foram criando sérios quadros psiquiátricos em indivíduos que não respeitavam as necessidades básicas, como dormir e comer. Os militares passavam três dias seguidos em jejum e sem descanso, e o estado produzia e distribuía quantidade industriais de fármacos.

O próprio Fuhrer recebia de seu médico particular injeções energéticas que se transformaram em imprescindíveis e que eram aplicadas entre doses crescentes várias vezes ao dia. O Dr Morell era presença infalível ao lado de Hitler, que frente a qualquer manifestação de queda da euforia do paciente A, como era chamado, aplicava um coquetel, visando a aumentar sua atividade e diminuir os efeitos indesejados do que era ministrado.


Lendo este livro, cujo título não se refere à saudação nazista e sim a high que em inglês significa alto, referindo-se ao efeito das drogas, me fez repensar no uso político das drogas psico-neuro-socio-toxicas e a inconsistência dos defensores da liberação irrestrita destas substâncias de extrema periculosidade, como uma medida irresponsável.


É importante estudar história, lembrando que a finalidade deste conhecimento, deveria nos levar à não repetição de erros anteriores.


Recomendo a sua leitura que, para mim, foi uma experiência surpreendente.”