Mentiras na “CartaCapital” sobre a política nacional de drogas, aprovada pelas famílias de dependentes

Espalhe essa notícia:


Duas mentiras abrem na “CartaCapital” o texto “O psiquiatra que dá verniz científico aos planos de Osmar Terra”, publicado em 3 de março :

Deputado Osmar Terra, ex-Ministro d a Cidadania

PRIMEIRA MENTIRA: “.. o ex-ministro(Osmar Terra) saiu chamuscado por firmar contratos com uma empresa de tecnologia suspeita de ser usada como laranja para desviar dinheiro público.” Se a repórter tivesse pesquisado, descobriria que “ não se contrata nenhuma empresa na Esplanada sem ter o ok da CGU (Controladoria-Geral da União). Essa empresa inclusive, até julho, fazia a tecnologia da informação da própria CGU. Ninguém tinha informações sobre a investigação, que estava ocorrendo no Ministério do Trabalho. E uma das empresas que tinha lá era essa, e aí tem de ver o que houve ou não. Mais órgãos do governo trabalharam com ela. Era uma empresa que tinha 21 contratos na Esplanada. Todo mundo que participou da linha de contratação dessa empresa foi afastado ainda no ano passado do Ministério da Cidadania”

SEGUNDA MENTIRA: “Cordeiro é o cérebro por trás da grande obsessão do parlamentar (Osmar Terra), agora devolvido à Câmara dos Deputados: acabar, de uma vez por todas, com as drogas e o vício no Brasil.” SE A REPÓRTER TIVESSE PESQUISADO no Google,descobriria que Osmar Terra é médico,neurocientista. tem conhecimento sobre dependência de drogas, tem história na luta contra as drogas e é o autor da lei antidrogas em vigor no Brasil, a 13.840/2019. Era deputado quando apresentou o projeto, que só foi aprovado pela Câmara em 2013. No Senado, a aprovação demorou seis anos, sendo aprovado só no ano passado. Portanto, o psiquiatra Quirino Cordeiro Júnior e o ministro sempre trabalharam juntos e em parceria. A repórter também encontraria no Youtube, declaração em 30 de janeiro de 2020, do Secretário Quirino Cordeiro Júnior, agradecendo a indicação ao ministro, no primeiro ano da SENAPRED: “‘EU TIVE A HONRA DE SER CONVIDADO PELO MINISTRO OSMAR TERRA PARA COMPOR SUA EQUIPE NO MINISTÉRIO DA CIDADANIA.”

O texto da CARTACAPITAL conta mentiras e critica o Secretário Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas, psiquiatra Quirino Cordeiro Júnior, que tem apoio DE líderes antidrogas de Norte a Sul no País e de milhões d e famílias de dependentes de drogas que, pela primeira vez , no Brasil, têm suas reivindicações atendidas. São ações inéditas que reúnem cinco necessidades sempre reivindicadas pela população, mas somente agora, no governo Bolsonaro, atendidas: prevenção, tratamento, reinserção social, assistência às famílias dos dependentes de drogas e aumento na repressão do tráfico.

Secretário Quirino Cordeiro Júnior com sua equipe na SENAPRED: da direita para a esquerda,a Chefe de Gabinete Joaquina Mercês, a Diretora Claudia Leite, Vivi Figueiredo e o responsável pela Marcha das Famílias contra as drogas Edu Cabral.

Resultados do primeiro ano da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas, do Ministério da Cidadania,e de atuação do Ministério da Justiça, atendendo às necessidades das famílias brasileiras e cumprindo a determinação do Presidente Bolsonaro, que tem enfatizado “NÃO FUI ELEITO PARA LEGALIZAR AS DROGAS NO BRASIL”

Secretários Quirino Cordeiro Júnior e Luiz Roberto Beggiora na 63a Sessão da Comissão sobre Narcóticos da Organização das Nações Unidas (ONU), em Viena, capital da Áustria.

O SECRETÁRIO QUIRINO CORDEIRO JÚNIOR ESTÁ EM VIENA ,capital da Áustria, APRESENTANDO EM REUNIÃO DA ONU, EXATAMENTE A POLÍTICA NACIONAL DE DROGAS, APROVADA PELAS FAMÍLIAS E POR TODOS OS LIDERES ANTIDROGAS NO PAÍS. A 63a Sessão da Comissão sobre Narcóticos da Organização das Nações Unidas (ONU), começou na segunda-feira e termina no dia 6. Reúne 1.100 participantes de 131 países, 17 organizações intergovernamentais, 97 organizações da sociedade civil e a comunidade científica. Representa o Brasil com o  Secretário Nacional de Política sobre Drogas do Ministério da Justiça, Luiz Roberto Beggiora.

MAS a A CARTA CAPITAL, além de mentir, ironiza e até trata com deselegância o psiquiatra Quirino Cordeiro Júnior, respeitado por todas as famílias e pelos líderes. Já os que prejudicam as famílias dos dependentes de drogas ganham grande espaço.

O curioso é que em nenhuma linha do texto é explicada a gravidade da dependência de drogas. “DOENÇA que muda o funcionamento do cérebro, fazendo PERDER O CONTROLE sobre a quantidade usada. MUDA O CÉREBRO DE TAL MANEIRA QUE TORNA DIFÍCIL DESISTIR, MESMO QUANDO A PESSOA QUISER PARAR O USO”, ensina o centro referência em pesquisas sobre drogas nos Estados Unidos, o National Institute on Drug Abuse.

Cracolândia da Luz, a maior do País, reúne 2 mil dependentes de crack na região da Luz, centro de São Paulo. É uma das 100 cracolândias da capital. Foto: Carlos Torres no meu livro “Guerra pela vida- A campanha da Jovem Pan contra as drogas”

Os entrevistados da CartaCapital são contra abstinência no tratamento e contra a internação involuntária em hospital do SUS para casos graves como os de cracolândia, por exemplo ou em surtos psicóticos por drogas. São defensores da Redução de Danos, que significa só tratar se o dependente de droga autorizar. São defensores da luta antimanicomial que reduziu 100 mil leitos para dependentes e doentes mentais na rede pública de Saúde. Representam prefeituras que autorizaram cracolândias em 97% dos municípios brasileiros. Todos , incluindo a indústria da maconha, que tenta autorizar o uso e o porte no Brasil, começam a atacar quem trabalha na defesa dos direitos das famílias, que em todas as pesquisas têm sido unânimes: QUEREM O BRASIL COM SAÚDE E SEM DROGAS.

E ABSURDOS ESTÃO ESCRITOS NA CARTACAPITAL: “Ao tratar as drogas como causa, e não consequência, do crescimento da legião de moradores de rua nas grandes cidades, alivia o peso da pobreza, o desemprego e falta de políticas de habitação nessa nefasta equação”. SE A REPÓRTER TIVESSE PESQUISADO O NÚMERO DE CRACOLÂNDIAS, QUE TOMAM RUAS, PRAÇAS, AVENIDAS E SOB VIADUTOS DESCOBRIRIA HAVER MAIS DE CEM NA CIDADE DE SÃO PAULO. TODAS COM DEPENDENTES GRAVES, MUITOS JÁ COM SURTOS E NECESSIDADE DE INTERNAÇÃO INVOLUNTÁRIA, PORQUE ESSAS PESSOAS PERDERAM A CAPACIDADE DE TOMAR DECISÕES.

PORTANTO, É TRANSPARENTE O INTERESSE DO TEXTO EM LIBERAR O USO DE DROGAS NO BRASIL. FICA, PORTANTO, A PERGUNTA PARA A CARTACAPITAL: A QUEM INTERESSA ESSA DEFESA QUE PREJUDICA COM SOFRIMENTO DEVASTADOR AS FAMÍLIAS?