Reféns da maconha

Espalhe essa notícia:

Foto: NIDA-National Institute on Drug Abuse

“Reféns da maconha”.Título de minha nova série no Diário Antidrogas. Por quê? Porque reféns perdem a liberdade, exatamente o que se perde quando se fuma maconha. Por isso são chamados de adictos,que em latim significa escravos por dívidas. O termo pode ser usado para dependência de qualquer tipo de droga, porém escolhi maconha porque impressiona a defesa, até no Congresso e no Supremo Tribunal Federal ,dessa droga, que “pode causar mais danos que a bebida alcoólica e o tabaco”, conforme define o psiquiatra Valentim Gentil Filho , referência no Brasil em estudos sobre maconha.

Psiquiatra Valentim Gentil Filho

“Fumar maconha é a maior causa de interdição de jovens por psicoses, no Brasil”, alerta o médico e deputado federal Osmar Terra (MDB/RS). Psicoses causam alucinações , delírios e tentativa de suicídio .

Deputado Osmar Terra

“Maconha” adverte o psiquiatra Pablo Roig, tem causado deterioração do amadurecimento cerebral, dificultando portanto tomar decisões, planejamento, memória de trabalho e controle emocional, tornando a pessoa um eterno adolescente”, alerta o Presidente do Conselho Editorial do Instituto Greenwood- Centro de Ensino e Pesquisas.

Psiquiatra Pablo Roig

MÉDICOS CONDENAM MAS DEPUTADOS QUEREM LIBERAR

Médicos condenam a maconha mas deputados se reúnem em Brasília , na Câmara ,com representantes dessa indústria proibida no Brasil para discutirem a liberação no país, defendendo projetos de lei como o 399/2015, que o PT, o PSB com apoio do PSOL modificaram para transformar num substitutivo que quer autorizar plantação de maconha e uso de maconha até em alimentos e em vários produtos para pessoas e animais no Brasil e também para exportação. “Este projeto de lei autoriza o uso irrestrito da maconha em medicamentos, facilitando, portanto, a venda para dependentes. E também autoriza plantação de maconha em todo o país, dificultando a fiscalização”, adverte o Secretário Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas, do Ministério da Cidadania, psiquiatra QUIRINO CORDEIRO JÚNIOR:

Secretário Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas, do Ministério da Cidadania, psiquiatra Quirino Cordeiro Júnior

FAMÍLIAS NÃO TÊM ONDE TRATAR

Nas casas, famílias choram porque estão perdendo os filhos adolescentes para essa droga. Porque o uso da maconha já está começando na infância, aos oito, nove anos, conforme registram atendimentos no maior grupo de orientação às famílias no Brasil, o Amor-Exigente. e pesquisa da Sociedade de Pediatria de São Paulo. Crianças já estão convidando coleguinhas para fumar maconha em condomínios! Fato gravíssimo que não é investigado . E crianças que se tornam rapidamente dependentes. E os pais não têm , na rede pública , onde tratar essas crianças. E na rede particular são raríssimos os psiquiatras especializados em dependência de d rogas na infância.

Nos hospitais e nas clínicas particulares , a constatação do que revelam pesquisas do maior centro de estudos sobre drogas no mundo, o National Institute on Drug Abuse:

-maconha contém THC, substância que causa a dependência, pondo ” em risco cérebro, coração, pulmões, rins , além de poder causar náusea, vômito e desidratação graves, às vezes exigindo atendimento médico de emergência”;

-a fumaça da maconha pode causar nos pulmões as mesmas dificuldades respiratórias provocadas pelo tabaco: tosse e catarro diários, doenças pulmonares mais frequentes e maior risco de infecções pulmonares”;

.fumar maconha é risco para ataque cardíaco porque aumenta a frequência cardíaca por até três horas após ser fumada;

-maconha tem sido causa de depressão e de tentativas de suicídio na adolescência.

A quem interessa a liberação da maconha, droga que só causa desgraça? E, mais preocupante ainda, por que o Ministério da Saúde ignora essa doença gravíssima, a dependência de maconha já na infância e adolescência? Amanhã, vou descrever, com caso real, a psicose causada pela droga que o PT, o PSB e o PSOL e o PSDB querem legalizar no Brasil, a maconha, tornando reféns dependentes e suas famílias.