“ O PL399 me causa desespero”, escreve ao Presidente da Câmara mãe com filha dependente de maconha que“tentou suicídio e foi internada por 6 meses”

Espalhe essa notícia:

Leia a carta de Silmara da Silva, de Sorocaba (SP), enviada hoje ao Presidente da Câmara, Arthur Lira:

” Ao Excelentíssimo

Deputado Federal Arthur Lira

Presidente da Câmara

Prezado Senhor:

“ Sou uma das milhares de mães de Sorocaba, cidade de São Paulo, que estão apavoradas com a aprovação do PL399. É desesperador ler nesse PL 399 a autorização para plantar maconha em todo o país para uso até em ALIMENTOS!!! Na PRÁTICA, SIGNIFICA dizer que maconha não tem risco, anulando no projeto a proibição de fumar maconha. E digo isso como mãe, que aprendeu com o sofrimento da filha, o que significa essa droga.

É que a minha filha foi na onda dos colegas do colégio e, aos 17 anos, experimentou. O que aconteceu foi uma tragédia. Ela tentou suicídio quatro vezes pela depressão profunda que a maconha causa. E foi internada por seis meses numa clínica particular, porque na rede pública é dificílimo encontrar vaga para adolescentes. Ela tinha apenas 20 anos. E, para pagar, Deputado, eu fui obrigada a vender uma casa em que o aluguel me ajudava a pagar as contas do mês.

Eu não entendo como um projeto que autoriza usar maconha até em produtos veterinários pode ser considerado essencial para as famílias tratarem filhos com doenças graves. Por que o PL399 não é um projeto que trata somente de remédios?

Minha filha está perdendo oportunidades de trabalho e estudo porque sua memória e capacidade de estudar foram prejudicadas pela maconha. Como eu tenho medo do futuro, deputado!

Perco o sono pensando no que poderá acontecer com as crianças no Brasil se esse PL 399 se tornar lei. Me assusta pensar o que vai ser dessas crianças, o que vai ser do nosso país. Eu não quero para as mães, o que eu já sofri. Por isso escrevo ao Senhor para pedir: não deixe essa desgraça ameaçar nossas vidas, já tão difícil com essa tragédia da COVID-19.

Obrigada POR LER MINHA CARTA.

Atenciosamente,

Silmara Pereira da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *