PL399:”Sou contra.Maconha é a causa da tragédia na minha família”,protesta mãe

Espalhe essa notícia:

“PL399? É desumano aprovar este projeto”,chora mãe ,que tem filho internado por esquizofrenia causada pela maconha. “Os deputados que aprovaram a plantação da maconha para uso em vários produtos NÃO medicinais são totalmente insensíveis à dor das famílias que sofrem as consequências da dependência dessa droga por filhos. São autoridades que nunca sentiram na pele o sofrimento das consequências da maconha”, protesta Rita Maria das Graças Pereira na campanha ‘FAMÍLIAS CONTRA O PL399 por autorizar plantação de maconha para uso até em alimentos”, descrevendo a tragédia que a maconha causou na sua família, em Minas Gerais. Campanha que está enviando ao Presidente da Câmara, Deputado Arthur Lira, este importante depoimento, que prova a necessidade de manter a proibição da maconha no Brasil.

SUA HISTÓRIA

“Tínhamos orgulho do nosso filho. Ele estudava, frequentava curso de inglês, trabalhava com o pai e era campeão de tênis. Até os 14 anos, quando experimentou maconha com um amigo. A primeira vez, o melhor amigo levou pra ele na festa de aniversário da minha filha do meio em nossa casa. Foram até à esquina. Ele fumou, vomitou, ficou muito mal . Parado e meio fora do ar. Eu , totalmente inexperiente, nunca imaginei que fosse maconha.”

“ABANDONOU ESCOLA, ESPORTE, TRABALHO”

“E as mudanças de comportamento se tornaram martírio para nossa família. Meu filho trabalhava com meu marido. Não quis mais. Tentamos outros dois trabalhos. Não deram certo. Era campeão de tênis, mas não quis mais jogar. Na escola, as notas caíram e veio a indisciplina. Faltava muito. Deixou o inglês. E a escola também. Na escola me foi sugerido olhar a mochila e lá estava a maldita erva reconhecida por uma amiga policial. Começou então o nosso calvário. Meu filho passou a ter alucinações e surtos. De bom filho, bom aluno e atleta brilhante se tornou adolescente rebelde, agressivo, violento e cada dia mais mergulhando no submundo da droga. Foi rápido. ”

É DOR QUE NÃO TEM FIM”

“Ver um filho lindo, inteligentíssimo ( QI alto), esportista brilhante, carinhoso, educado respeitoso…se tornar um farrapo humano é muito sofrido e doloroso. A maconha tornou meu filho esquizofrênico. Ele perdeu a conexão com a realidade. Aos 16 anos médicos neurologistas e psiquiatras fecharam o diagnóstico: esquizofrenia provocada pela maconha. Guardo até hoje os laudos. Foi internado em sanatórios, fazendinhas, clínica. Foi muito dinheiro. Sempre esteve em instituições particulares. Não existiam gratuitas. Quando surgiram as gratuitas eram de muito difícil acesso Sempre pagamos. Ele não tem condições de viver em sociedade porque passou a viver em delírio e alucinação. Muito agressivo e perigoso para a família. E ficará , por tempo indeterminado, numa instituição de longa permanência.”

EM BUSCA DE TRATAMENTO
“Procuramos os melhores neurologistas, associações, padres, uma verdadeira peregrinação. Nada resolvia e ele cada pior. Vieram as internações em sanatório, fazendinhas, clínica. Depois da maconha, ele usou outras drogas: álcool e cocaína. O meu marido morreu há um ano e meio. Hoje, meu filho e está com 48 anos. Esta a minha luta , há 34 anos, contra a maconha e contra todas as drogas no Brasil.”

#PL399NÃO