Alcoolismo:Brasil continua sem o remédio mais eficaz

Espalhe essa notícia:

Brasil continua , desde 2019, sem o remédio mais EFICAZ para tratar o alcoolismo. Desde 2019, o medicamento DISSULFIRAM não é mais produzido no país, informa a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ao Diário Antidrogas.”A empresa detentora do medicamento DISSULFIRAM solicitou o cancelamento do registro.” O laboratório SANOFI , que produzia o remédio, divulgava em 26 DE NOVEMBRO DE 2019, em seu site, que “ protocolou em 14/10/2019, perante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a descontinuação definitiva de fabricação do medicamento Antietanol® (Dissulfiram).” Até HOJE, NÃO há resposta sobre NOVA produção desse medicamento, apesar do Brasil ter capacidade técnica.

Psiquiatra Ronaldo Laranjeira

O Coordenador do estudo mais abrangente sobre alcoolismo no Brasil,psiquiatra Ronaldo Laranjeira, define o DISSULFIRAM como

“ o medicamento mais efetivo, barato e acessível para tratar o alcoolismo no Brasil, com preço médio de menos de R$ 10 a caixa. Dentre todas as substâncias estudadas para tratamento do alcoolismo, o Dissulfiram era o mais efetivo e eficaz no combate à doença, NÃO EXISTINDO SIMILARES OU GENÉRICOS à venda no mercado.”

Artigo publicado no portal da UNIAD -Unidade de Pesquisas em Álcool e Drogas.

Na pesquisa sobre alcoolismo que coordenou pela Universidade Federal de São Paulo, o doutor Ronaldo Laranjeira JÁ alertava em 2012:

11 milhões e 700 mil brasileiros são alcoólatras ou abusadores da bebida”;

-”o álcool é a droga que mais gera violência familiar e urbana, e que contribui com cerca de 10% para a toda a carga de doenças no Brasil. Além disso, o consumo de bebida alcoólica é uma das principais causas de afastamento do trabalho no Brasil.”

No comunicado ao Diário Antidrogas, a Assessoria de Imprensa da Anvisa informou que

“A Anvisa não possui instrumento legal que impeça os laboratórios farmacêuticos de retirarem seus medicamentos do mercado. A Agência regulamenta a forma de comunicação de descontinuação de produção e importação de medicamentos.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *