Campanha: “MACONHA: NÃO À PLANTAÇÃO E AO USO ATÉ EM ALIMENTOS”

Espalhe essa notícia:

“MACONHA: NÃO À PLANTAÇÃO DA MACONHA E AO USO ATÉ EM ALIMENTOS ” É A CAMPANHA que reúne, a partir de hoje, o ‘MÃES UNIDAS”, a Clínica Greenwood, a FEBRACI, Miguel Tortorelli, Regina Tortorelli , Sandra Mara Xavier, o “Faces e Vozes da Recuperação no Brasil”, o Instituto Casa Dia São Paulo, a Clínica Despertar Jovem,a Clínica Huxley, o Instituto Vasconcelos, a Clínica Hospitalar Reluzir, o Diário Antidrogas e o “Metrópole em foco contra as drogas”

CARTAZ CRIADO por André Alves Fortuna

.POR QUE ESTA CAMPANHA? Porque é muito importante neste ano de eleições conhecermos os partidos políticos que APROVARAM ,EM JUNHO DE 2021, O PL399/2015, QUE AUTORIZA A PLANTAÇÃO DE MACONHA EM TODO O PAÍS PARA USO EM PRODUTOS NÃO MEDICINAIS E ATÉ EM ALIMENTOS. AGORA, ESTE PL ESTÁ NA CÂMARA DOS DEPUTADOS, AGUARDANDO DATA PARA VOTAÇÃO.

OS PARTIDOS QUE VOTARAM A FAVOR DO PL QUE AUTORIZA PLANTAÇÃO DE MACONHA PARA USO ATÉ EM ALIMENTOS NO BRASIL SÃO:

A PRIMEIRA VOTAÇÃO FOI EM JUNHO DE 2021, NA COMISSÃO ESPECIAL DE REMÉDIOS FORMULADOS COM CANNABIS(maconha), formada por apenas 38 deputados federais. Houve empate- 17 a favor e 17 contra- mas o relator

Luciano Ducci

e o presidente da Comissão, deputado Paulo Teixeira (do PT-SP) votaram duas vezes: a primeira como deputados, depois para desempatar, como autoriza o regulamento da Comissão.

O deputado BACELAR (Podemos-Bahia) definiu exatamente o PL 399 aprovado : “MACONHA É COMMODITIE IMPORTANTÍSSIMA E PODE SER SOLUÇÃO PARA ESTE PAÍS.” Commoditie é matéria-prima que pode ser negociada na Bolsa de Valores através do mercado futuro. O deputado BACELAR DEFENDE LIBERDADE PARA O USO DE MACONHA. “NÃO É O ESTADO , NÃO É A IGREJA, QUE VAI DIZER O QUE VOU FAZER NO MEU MOMENTO DE LAZER”.

A oposição ENTROU COM RECURSO e exigiu a votação no plenário pelos 513 deputados da Câmara. A data está para ser marcada pelo Presidente da Câmara , deputado Arthur Lira (PP- Alagoas).

O PL DA MACONHA, O 399 AUTORIZA:

-plantar maconha em todo o país;

-usar maconha na produção de remédios, contrariando o Conselho Federal de Medicina e a ANVISA, que autorizam medicamento indicado para caso de epilepsia sem controle em crianças e adolescentes sem respostas com remédios tradicionais, uso ainda experimental por não haver evidências que comprovem eficácia com segurança;

usar maconha em produtos NÃO medicinais para pessoas e animais;-USAR MACONHA NA PRODUÇÃO ATÉ DE ALIMENTOS.

NESTA CAMPANHA, VAMOS PUBLICAR AS OPINIÕES DE ESPECIALISTAS SOBRE OS EFEITOS DA MACONHA, DEPOIMENTOS DE MÃES COM FILHOS DEPENDENTES DE MACONHA E EXPLICAR O QUE ESTÁ ACONTECENDO NOS ESTADOS UNIDOS, ONDE ALIMENTOS COM MACONHA TÊM SIDO A CAUSA DA INTERNAÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA.

COMO MÃES, PAIS E ESPECIALISTAS NOS SOLIDARIZAMOS COM AS FAMÍLIAS QUE NECESSITAM DO TRATAMENTO COM REMÉDIO COM CANABIDIOL PARA OS FILHOS. Mas não entendemos a necessidade do projeto de lei, já que o remédio com CANABIDIOL- UMA DAS 500 SUBSTÂNCIAS DA MACONHA – é autorizado pela ANVISA e pelo CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Portanto,não seria melhor, esses doentes, 10% dos casos de epilepsia de difícil controle, terem esse remédio de GRAÇA no SUS?

PARTICIPAM DESTA CAMPANHA, QUE SERÁ DIVULGADA NO“DIÁRIO ANTIDROGAS”, NOS SITES DA FEBRACI, DO INSTITUTO GREENWOOD E DA REGIONAL NORTE PAULISTANA DA FEDERAÇÃO DE AMOR-EXIGENTE:

-MOVIMENTO “MÃES UNIDAS”, criado em março por Renata e Roberto Brunelli,representa MÃES DE DEPENDENTES de 12 estados: São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso,Rio de Janeiro, Bahia, Goiás, Rondônia, Pará e Ceará. Mães com filhos que COMEÇARAM FUMANDO MACONHA E A MAIORIA JÁ ESTÁ NO CRACK, em cidades onde a rede pública não cumpre leis que autorizam a Internação Involuntária e Compulsória em hospital público.

CLÍNICA GREENWOOD – Criada em 1985 pelo psiquiatra Pablo Roig, que há 45 anos recupera dependentes de drogas. Em São Paulo, criou a Clínica Greenwood em 1985, onde interna para recuperação dependentes de drogas do Brasil, da China, de Portugal, do Líbano, da Argentina e do Paraguai. Na Greenwood, também assistência às famílias. “MACONHA”, alerta dr. Pablo, “ é droga de grande risco. Aumenta significativamente a incidência de depressão, ansiedade, quadros bipolares e psicóticos. ”

ONG FACES E VOZES DA RECUPERAÇÃO NO BRASIL” representa, DESDE 2015, na América do Sul a organização “Faces and Voices of Recovery”, criada em 2001 nos Estados Unidos para reivindicar e promover “políticas baseadas na ciência, na compaixão, na saúde e nos direitos humanos”. O PRESIDENTE DA “FACES & VOZES DA RECUPERAÇÃO NO BRASIL “, ALEXANDRE ARAÚJO, informa ter 300 dependentes tratados e sem recaídas de Norte a Sul do país . E informa que tem atendido casos gravíssimos de adolescentes com surtos psicóticos causadas por maconha.

INSTITUTO CASA DIA SÃO PAULO -Localizada desde 1997 no Jardim Anália Franco, zona Leste da capital, já recuperou 4 mil dependentes de drogas. Além da internação, tem ambulatório e Moradia Assistida. Trata também os familiares dos dependentes. O PRESIDENTE DA CASA DIA SÃO PAULO, IVANILDO JOSÉ, INFORMA QUE A MAIORIA DOS INTERNADOS , USUÁRIOS DE CRACK, COMEÇOU O USO DE DROGAS NA ADOLESCÊNCIA COM MACONHA.

FEBRACI- Federação Brasileira das Clínicas Especializadas em Dependência Química foi criada em 2013 por Renata e Roberto Brunelli em Santa Rosa do Viterbo, cidade paulista a 298 quilômetros da capital. Tem 30 clínicas credenciadas e seu objetivo é orientar e informar as leis em vigor no país para o melhor tratamento dos dependentes internados.

CLÍNICA DESPERTAR JOVEM, EM Imbituba, Santa Catarina; Diretor:Luiz Nazareno Ribeiro e Coordenação:Sandra Ribeiro

Clínica Huxley , em Arthur Nogueira – SP, Diretor: Alexandre Castanheira

Clínica Hospitalar Reluzir , em Camaragibe – PE, Diretor: Moab Nóbrega Jurema

Instituto Vasconcelos, diretor Paulo Vasconcelos.

Diário Antidrogas

Metrópole em foco contra as drogas.

NESTE DOMINGO, especialista vai explicar os gravíssimos riscos desse projeto às famílias, aos dependentes, aos dependentes em recuperação, e à sociedade.